Presença de toxinas proíbe a apanha de bivalves

Lagoa de Óbidos

432

Está interdita a apanha, consumo e comercialização de bivalves, na zona entre Peniche e Lisboa, onde se inclui a Lagoa de Óbidos, devido à presença de fitoplâncton, produtor de toxinas marinhas ou de níveis de toxinas acima dos valores regulamentares.

Segundo um comunicado divulgado no sítio da internet do Instituto Nacional de Investigação das Pescas e do Mar (IPIMAR), esta interdição “vem na sequência de 40 casos de intoxicações alimentares ocorridos em Mafra nos últimos cinco dias”.

A interdição abrange a região entre Peniche e Lisboa, mas também as zonas de Viana do Castelo, Matosinhos, Aveiro, Nazaré, Figueira da Foz, Sines, Setúbal e na ria de Aveiro, Lagoa de Óbidos e de Albufeira e estuários do Mondego, do Tejo, do Sado e do Mira.

Segundo o documento do IPIMAR, as toxinas provocam sobretudo diarreias.

Comunicado do IPIMAR (pdf)

Press Release (pdf)