A adoção nem sempre é a melhor opção para uma criança institucionalizada

Patrícia Reis e Elena Varvello em conversa no FOLIO AUTORES

186

“Nem todas as crianças abandonadas que estão em instituições devem ser adotadas”, defendeu Patrícia Reis, autora do livro “As Crianças Invisíveis”, que aborda a questão da adoção, dos maus-tratos e do abandono, em mais uma sessão do FOLIO – Festival Literário Internacional de Óbidos, que teve lugar ontem à tarde, 12 de Outubro.

Neste livro, a ex-jornalista quis tornar visível uma realidade internacional que é o das crianças abandonadas sem rosto que vivem em instituições. Em Portugal há 60 mil crianças e jovens nesta situação. “É chocante, preocupante e invisível”, lamentou Patrícia Reis. Na sua pesquisa, que resultou numa história ficcionada, conversou com dezenas de pessoas, desde responsáveis de instituições a juízes e pessoas que foram adotadas, entre outras. “O que eu fiz foi sentar-me e ouvir”, revelou.

A escritora não tem dúvidas de que há famílias que não têm capacidade para adotarem alguém e crianças que preferem viver numa instituição até aos 18 anos de idade. Na sua obra, relata o caso de uma criança que é adotada e “devolvida meses” depois pela família que a tinha recebido.

Em “A Vida Feliz”, a escritora italiana Elena Varvello também aborda os maus-tratos, ao contar a história de um rapaz solitário que vive com os pais numa zona isolada. O pai foi despedido e começa a perder-se nos meandros negros da sua doença mental. Neste caso, a solidão reflete-se numa grande violência psicológica.

Tal como notou a moderadora do debate, a jornalista Luciana Leiderfarb, ambos os livros acabam por questionar o que é uma família e de que forma ela pode ser positiva ou não para uma criança. “As crianças têm direito ao Amor e isso nem sempre se encontra numa família”, sublinhou Patrícia Reis. É o caso da personagem do livro de Elena Varvello que “tem dois pais, mas não pode trocá-los por outros”.

A curadora do FOLIO AUTORES, Ana Sousa Dias, aproveitou a ocasião também para dizer que as sessões de debate entre autores têm sido muito empolgantes.

Press Release (pdf)