O fogo como meio de purificação ou condenação do homem medieval

Webinar: Do Inferno ao Purgatório – a visão do Fogo na Idade Média

184

No passado dia 25 de Fevereiro realizou-se o webinar: Do Inferno ao Purgatório – a visão do Fogo na Idade Média, que contou com a presença da investigadora Ana Isabel Buescu e Bruno Silva, técnico superior de História do Município de Óbidos.

Neste evento, aprofundaram-se conhecimentos sobre o Fogo do Purgatório e do Inferno enquanto meio de purificação ou condenação do homem medieval. Este fogo castigador e/ou purificador passou a ser incutido pela igreja católica, junto da comunidade medieva, numa tentativa de cativar fiéis, impedindo-os de enveredar por uma vida errante e afastada do catolicismo.

As primeiras representações do Purgatório (do latim Purgare) ocorrem no século XIII por toda a Europa, sendo considerado a grande criação da Idade Média. Este terceiro lugar, entre Paraíso e o Inferno, atenuava a radicalidade da salvação ou condenação eterna permitindo ao homem medieval a redenção dos seus pecados.

Em Portugal há conhecimento de uma única peça representativa do Inferno, uma pintura descoberta em 1834, aquando da extinção das ordens religiosas, no convento de S. Bento da Saúde.Conclui-se, com este seminário, que o Fogo é visto, essencialmente, como um elemento representativo do Inferno e do Mal, marcando profundamente o quotidiano do homem medieval.

Os temas discutidos, no dia 25 Fevereiro, são uma extensão das palestras apresentadas no Mercado Medieval Óbidos 2019, tendo como principal objectivo democratizar e difundir a História e Cultura nos meios digitais.