Incompreensível encerramento de Balcão da CCAM de Gaeiras

Comunicado

481

O Município de Óbidos e a Junta de Freguesia de Gaeiras foram surpreendidos com uma proposta de decisão de encerramento do balcão de Gaeiras, sob o argumento de que este balcão não era rentável. Em face desta proposta já deliberada pelo conselho de administração da Caixa de Crédito Agrícola Mútuo (CCAM) – Caldas da Rainha, quer a Junta de Freguesia, quer o Município de Óbidos, na pessoa dos seus presidentes, encetaram vários contactos para que a decisão fosse revogada.

Estes presidentes foram confrontados com o argumento de que  “… este balcão não é rentável, uma vez que a respetiva entidade vive sobretudo da venda de produtos designadamente de créditos e de seguros, o que neste balcão não tem acontecido…”, ora, face a este argumento, e apesar de não estarmos perante uma economia fechada, em que os poderes públicos comandam as entidades privadas, ainda assim, colocámos no centro da discussão aquilo em que acreditamos:

  • Um território que abrange duas freguesias Gaeiras e A-Dos-Negros, com um número muito significativo de população;
  • Um território que tem uma zona industrial com empresas que necessitam de concessão de créditos;
  • Um balcão que tem um potencial de mercado muito superior a muitos outros balcões na dependência da CCAM de Caldas da Rainha, Óbidos e Peniche;
  • Um balcão que, face ao potencial de mercado que tem, em vez de reforçar o seu investimento, designadamente em recursos humanos e na maior competitividade dos seus produtos, para penetrar nesse mercado, faz exatamente o seu contrário.

Em resultado destas conversas foi-nos comunicado que iriam fazer nova avaliação e em particular que iriam insistir para atingir esse mercado. Porém ao invés disso somos surpreendidos com a comunicação aos clientes do respectivo balcão que irão fechar.

Chegados aqui, consideramos que a CCAM de Caldas da Rainha, Óbidos e Peniche já havia tomado a decisão final fazendo de conta que estava sensível aos argumentos apresentados por nós, mostrando, na altura, o seu contrário. Prova disso, foi o envio súbito para a caixa central da decisão de encerramento do balcão de Gaeiras sem voltar a falar com os autarcas de freguesias e Câmara Municipal.

Mostrou ainda grande falta de sentido de responsabilidades social, porquanto sabe que existem inúmeras famílias que dependem deste balcão para levantamento das suas pensões, e não hesitaram em fechar o balcão ao invés de investirem num mercado de enorme potencial. O argumento que possa vir a ser utilizado de que hoje tudo pode ser feito por home Banking, não colhe porquanto sabemos que existe uma parte da população portuguesa que ainda prefere o contacto com o seu gerente de conta.

Apesar de sabermos dos inúmeros encerramentos de balcões de várias entidades bancárias por este País fora e dos despedimentos consequentes dessas decisões, neste caso foi uma decisão precipitada centrada no passado, no hoje sem olhar o futuro penalizando todos.

Por esta razão lamentamos e repudiamos a forma como o processo foi conduzido bem como a decisão.

A partir do dia em que tomámos conhecimento desta decisão, começámos a olhar para espaços e entidades bancárias que possam estar interessadas em abrir um balcão em Gaeiras.

Reiteramos o lamento, mas não sucumbimos a fatalidades. Vamos encontrar solução ou soluções que possam servir aqueles que mais precisavam deste balcão.

O Presidente da Câmara de Óbidos
O Presidente da Junta de Freguesia de Gaeiras