“É muito importante ter um regadio tecnologicamente evoluído”

Empreitada dos contadores para o aproveitamento hidroagrícola de Óbidos

1378

Foi assinado ontem, 25 de Janeiro, o auto de consignação da empreitada dos contadores para o aproveitamento hidroagrícola de Óbidos, entre a Direção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural (DGADR) e o consórcio H2TEC e Hidrenki. A cerimónia teve lugar no salão nobre dos Paços do Concelho e contou com a presença do director-geral de Agricultura, Rogério Ferreira, do presidente da Associação de Regantes, Filipe Ferreira, e do presidente da Câmara Municipal de Óbidos, Filipe Daniel. A obra tem um prazo de 180 dias e um custo de mais de meio milhão de euros.

Para o presidente da Câmara Municipal de Óbidos, “é muito importante ter um regadio tecnologicamente evoluído”. Filipe Daniel explicou que “existem três tipos de contadores: o primário, que está a jusante da estação elevatória, depois, dentro dos hidrantes, existe um outro contador e, como esta é zona de minifúndio, necessitamos de ter contadores para cada beneficiário” e por isso vamos avançar “nesta rede de aproximação à parcela”.

Com este projecto, e depois de instalados os contadores, “passamos também a ter uma base de dados para contabilizar o que é que cada parcela consome, qual a eficiência de cada cultura, o que daqui a 5 ou 10 anos fará toda a diferença naquelas que serão as políticas que os empresários incutem nas suas parcelas, numa lógica de sustentabilidade”, explicou ainda o autarca.

Uma ideia também referida por Rogério Ferreira. Com esta empreitada vai saber-se “a quantidade de água que cada parcela está a consumir para que seja processado só o pagamento daquilo que efetivamente é consumido”, explicou o director-geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural. “O perímetro de Óbidos está em processo de uma melhoria profunda”, afirmou o responsável, acrescentando que “vamos terminar esta obra com a instalação dos contadores, porque acreditamos que o caminho é a eficiência hídrica e energética”.

Rogério Ferreira anunciou ainda que, ao abrigo da verba total do projecto de regadio, a DGADR vai avançar com a construção da futura sede da Associação de Beneficiários do Plano de Rega das Baixas de Óbidos.

Filipe Ferreira sublinhou a importância “deste investimento de mais de 500 mil euros”. “Temos de caminhar para o uso eficiente da água”, disse o presidente da Associação de Regantes, explicando que, no Oeste, o cuidado com o uso da água para a rega é tido “há mais de 40 anos”. “Temos num histórico na eficiência e temos sido também pioneiros na rega inteligente”, garantiu.

Recorde-se que os 600 contadores agora contratados são a fase final da obra relativa ao bloco de Óbidos. A aquisição destes equipamentos vai permitir aferir, com rigor, o consumo de água em zonas de micro e mini-fundio. Onde antes havia, por hidrante, entre dois a 23 beneficiários, passará agora a haver a contagem de água consumida de forma individual.

O investimento integra-se num projeto de regadio orçado em 28 milhões de euros, dos quais 22,2 milhões comparticipados pelo Programa de Desenvolvimento Regional (PRODER), destinado a servir cerca 900 agricultores das freguesias da Amoreira, Vau e Santa Maria, São Pedro e Sobral da Lagoa, no concelho de Óbidos, e do Pó e da Roliça, no concelho do Bombarral.