“É mais um importante passo neste aproveitamento hidroagrícola, que tem tido um sucesso extraordinário”

Assinatura do contrato de empreitada para a sede da Associação de Regantes

268

Foi assinado hoje, 29 de Junho, no salão nobre dos Paços do Concelho de Óbidos, o contrato de obra pública para a construção do edifício sede para a entidade gestora do aproveitamento hídrico de Óbidos. Trata-se de um investimento de cerca de 363 mil euros e com um prazo de construção de 9 meses. A cerimónia contou com a presença do presidente da Câmara Municipal de Óbidos, Filipe Daniel, do diretor-geral de Agricultura, Rogério Ferreira, e do presidente da Associação de Regantes, Filipe Ferreira.

“Tem sido feito um trabalho bastante intenso junto da Direção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural” para que a Associação de Regantes possa ter a sua sede, afirmou o presidente da Câmara de Óbidos, destacando a importância de haver “uma casa própria” para os “900 beneficiários que esta associação tem”. “É mais um importante passo neste aproveitamento hidroagrícola, que tem tido um sucesso extraordinário, estamos a constatar aquilo que se tem vindo a alertar em matéria de falta de água e a necessidade do seu aprovisionamento, é possível já constatar alguma transformação na paisagem e a diferença entre ter água e não ter água, especialmente num ano como este”, explica Filipe Daniel.

“Estamos a concluir o grande projeto de regadio das baixas de Óbidos, estamos preparados para regar mais de 1300 hectares e queremos muito que os blocos de Óbidos e Amoreira estejam a regar de forma normal no ano que vem, com o objetivo de termos uma total adesão ao perímetro”, referiu Rogério Ferreira. O diretor-geral de Agricultura afirmou ainda que “a sede da associação que estamos aqui, hoje, a assinar o contrato de empreitada é um dos sinais claros daquilo que é a profissionalização destas concessões”. “Vivemos tempos difíceis e temos de saber utilizar muito bem este recurso que é a água e temos de ser muito eficientes nesse mesmo uso”, concluiu.

Por seu lado, Filipe Ferreira afirmou que hoje, “em tempo de seca, está a dar-se muito mais valor ao regadio, ao que é uma barragem e à água, que deverá ser retida no Inverno, para poder ser usada no Verão”. O presidente da Associação de Regantes diz que “estão todos de parabéns, foi muita luta, nestes mais de 40 anos, para conseguir esta obra, mas finalmente estamos a concluí-la”.

Recorde-se que o projeto de regadio está orçado em 28 milhões de euros, dos quais 22,2 milhões comparticipados pelo Programa de Desenvolvimento Regional (PRODER), destinado a servir cerca 900 agricultores das freguesias da Amoreira, Vau e Santa Maria, São Pedro e Sobral da Lagoa, no concelho de Óbidos, e do Pó e da Roliça, no concelho do Bombarral.