“Estamos a recuperar e a revitalizar um património de Óbidos que é muito importante”

Desmatação da vegetação envolvente ao Aqueduto da Usseira

586

A desmatação da vegetação envolvente ao Aqueduto da Usseira está em curso desde o início de Junho, prevendo-se que os trabalhos se prolonguem até dia 31 de Julho. “O nosso objetivo é reabilitar o Aqueduto, recuperar e revitalizar um património do Município que é muito importante”, afirmou o presidente da Câmara Municipal de Óbidos, Filipe Daniel, dando seguimento a uma das propostas apresentadas no início do mandato.

O Serviço de Arqueologia do Município de Óbidos fez um levantamento sobre as condições desta estrutura e o resultado desse trabalho foi apresentado a 25 de Outubro de 2022. Nesse dia, foi realizada uma caminhada para que os participantes pudessem conhecer o Aqueduto e o seu estado de conservação. Além disso, foram igualmente apresentados o relatório técnico preliminar de inspeção e o diagnóstico estrutural ao aqueduto. Filipe Daniel afirmou, na ocasião, que “pelo seu valor histórico, o Aqueduto da Usseira merece ser recuperado”.

O processo de recuperação teve início em Março de 2022, com reuniões na Direção-Geral do Património Cultural (DGPC). Em Julho de 2022, houve um pedido de audiência com o ministro da Cultura e várias intervenções junto da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro com vista à captação de fundos comunitários para a reabilitação desta estrutura. Em Agosto do mesmo ano, foi feita a adjudicação do “relatório técnico preliminar de inspeção e diagnóstico estrutural” do Aqueduto. Em Janeiro de 2023, a DGPC autorizou a realização de uma intervenção de desmatação ao longo do monumento, com base no relatório elaborado pelo Serviço de Arqueologia.

Este é um dos aquedutos mais antigos do País, tendo o maior número de arcos sucessivos, com um total de mais de 200. Tem um traçado algo sinuoso, tendencialmente de Sul para Norte, com 3.700 metros de comprimento. Vai desde as três minas, junto à Usseira, a cerca de 130 metros de altitude, até ao chafariz da Praça de Santa Maria, a cerca de 60 metros de altitude, atingindo um desnível na ordem dos 70 metros. O Aqueduto é composto por troços superficiais e aéreos, consoante as características morfológicas do terreno e é na travessia dos vales e no planalto dos Arcos que apresenta maior monumentalidade.

Recorde-se que o Aqueduto da Usseira está classificado como Imóvel de Interesse Público desde 1962. No entanto, há 80 anos que este monumento não recebia qualquer intervenção de manutenção.