Exposição “Linhas com histórias que guardam memórias” inaugura no Museu Abílio de Mattos e Silva

207

Inaugura no próximo dia 08 de julho, pelas 18h30, no Museu Abílio de Mattos e Silva, a exposição “Linhas com histórias que guardam memórias – Bordado de Óbidos”.

A mostra, um regresso ao passado e à origem do bordado obidense, traz ao museu o saber fazer, a perseverança e o arrojo de Maria Adelaide Ribeirete quando, em 1951, vê nas suas congéneres a necessidade de poderem ter uma fonte de rendimento, mas mantendo-se em casa a cuidar das suas famílias.

“A maioria das pessoas, à época, eram pobres, não havia muito dinheiro, mas havia talento, dedicação e brio. Antigamente, as mulheres aprendiam a técnica do bordar, em casa, com as suas mães. E Maria Adelaide Ribeirete não pensou duas vezes. Começou a estudar um bordado, que fosse criado em Óbidos, para Óbidos e para as suas gentes. Para o efeito, inicia-se um período de estudos dos tetos da Igreja de Santa Maria, observando o que poderia ser feito com tão bela decoração… Aos poucos, começa com o seu espelho no colo e com o seu jeito para o desenho, retira elementos do teto da Igreja para o papel, cria diversas composições e aplica-as em tecido, para de seguida bordar”, descrevem Carolina Pinto e Pedro Luís, responsáveis pela vertente histórica da exposição.

Ao desenho, Maria Adelaide alia a perfeição do bordado, “cuja representação recria, entre os azuis, verdes, amarelos, castanhos e rosas que rodeiam um pequeno castelo alcandorado, rodeado pelas suas muralhas”.

A estas composições, a bordadeira atribuiu determinados pontos: “ponto pé de flor” e o “ponto sombra”, também designado por “ponto pé de galo”, ao qual chamava “ponto espinhado”.

Criado o bordado de Óbidos, houve a necessidade de pôr as mulheres a executá-lo. Mais uma vez, “Maria Adelaide Ribeirete teve a força, a coragem e a dedicação para dar trabalho a essas mulheres, pagando-lhes do seu salário, fruto da venda dos seus próprios trabalhos”.

Em 1954, Maria Adelaide Ribeirete recebe um prémio de qualidade, no primeiro Concurso Nacional de Artes e Ofícios. Esta é, de resto, a primeira referência histórica, com data concreta, da existência do Bordado de Óbidos.

Numa nova prova da sua tenacidade e empreendedorismo, a Mestre do Bordado de Óbidos, já com 93 anos de idade, decide organizar um curso, o qual ministrou e custeou, deslocando-se todas as manhãs de sábado, entre Lisboa e Óbidos, para transmitir a arte que criara e que, em dado momento da história, tivera um papel preponderante na economia da Vila de Óbidos.

A Maria Adelaide Ribeirete fica também a dever-se, a 30 de dezembro de 1998, a fundação, com as suas discípulas, da Associação Artesanal e Artística “Bordar Óbidos”, criando com elas e com o Município de Óbidos o selo de garantia – qualidade e genuinidade do Bordado D’Óbidos, afirmando-o desde então no Universo da Arte e do bom Artesanato de Portugal.